Comunicado

Por questões de economia e para melhor atender ao público externo, nesta sexta-feira (19 de julho), a Divisão de Telemática do Tribunal de Justiça do Amapá, irá realizar a instalação de novos equipamentos de telefonia no prédio do TJAP SEDE. 

Durante a ação todos os serviços de telefonia da área metropolitana (Macapá e Santana) ficarão indisponíveis, retomando apenas às 18 horas do mesmo dia.

Agradecemos a compreensão.

DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES DO TJAP

TJAP recebe comitiva do CNJ e do PNUD para lançamento do programa de enfrentamento à crise do sistema prisional

TJAPCNJONU (1).JPGA comitiva composta por representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) reuniu-se em Macapá, no final da manhã desta quinta-feira (21), com o presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), desembargador João Guilherme Lages Mendes; com os desembargadores Gilberto Pinheiro, Carmo Antônio de Souza, Carlos Tork, Rommel Araújo e Eduardo Contreras (corregedor); os juízes Paulo Madeira (auxiliar da presidência), João Matos (titular da VEP) e Lívia Simone (auxiliar da corregedoria); o governador em exercício, Jaime Nunes; o presidente da ALAP, deputado Kaká Barbosa e representantes de todos os órgãos que compõem o sistema de justiça. Na pauta o lançamento da primeira etapa do programa de enfrentamento da crise no sistema carcerário, a adesão do TJAP ao PJe e a implantação do Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU).

TJAPCNJONU (5) - Copia.jpgO desembargador-presidente João Lages destacou “a importância da implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe) para integração do TJAP com os demais tribunais do país”. O magistrado também ressaltou e parabenizou o CNJ pelo programa que visa combater a superlotação e aprimorar as diversas faces do sistema carcerário. “Tenho um viés humanista e não consigo ficar em paz sabendo que dentro das Penitenciárias estamos depositando seres humanos em ambientes cruéis e desumanos para cumprimento de penas”, disse o desembargador-presidente.

TJAPCNJONU (11) - Copia.jpgEm seguida, o desembargador Carlos Vieira Von Adamek, secretário-geral do CNJ, realçou: “Com as medidas que estamos tomando, teremos uma descompressão no sistema carcerário que está excedido e caótico em todo o país e não temos recursos para, em curto prazo, ampliá-lo. Então temos que gerir melhor as vagas que o sistema oferece para que permaneça preso aquele que não tem condições de viver em sociedade, além de evitar que pessoas que tenham cometido delitos de menor potencial sejam cooptadas pelo crime organizado”.

O secretário-geral do CNJ disse também que o programa visa ir além do melhoramento nos sistemas dos tribunais, mas oferece parcerias aos governos para melhoria do sistema penitenciário. “Em particular estamos propondo ao governo do estado o fortalecimento da Central de Monitoramento Eletrônico (tornozeleiras) e o cumprimento de medidas alternativas à prisão. Um sistema efetivo que não dê a impressão de impunidade”, salientou.

TJAPCNJONU (27) - Copia.jpgAs fases do programa foram explicitadas pelo juiz auxiliar da presidência e coordenador  do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do CNJ, Luís Geraldo Santana Lanfredi. “Fortalecer o sistema prisional e o sistema socioeducativo é preocupação central da gestão do ministro Dias Toffoli (presidente do STF e do CNJ). A suprema corte do país reconhece que estamos vivendo um estado de coisas inconstitucionais quanto ao sistema prisional”, declarou o juiz conclamando a uma ação conjunta para reverter este quadro.

TJAPCNJONU (31).jpgNos últimos 30 anos a população carcerária no Brasil se multiplicou sete vezes. “São mais de 800 mil presos e este encarceramento não está trazendo mais segurança, ao contrário, traz mais insegurança”, destacou o juiz Lanfredi. “Não estamos pregando que se abram as portas das prisões, mas alguma coisa tem que ser feita no sentido de refletirmos o porquê esta opção técnico-jurídica não está trazendo os resultados que esperávamos”, ponderou.

A taxa de ocupação das prisões no país, que também se reflete no Amapá, é de 200% em média. A realidade hoje no Amapá é de 2.600 presos para 1.300 vagas, segundo último levantamento disponível. “Estamos apresentando nesta data 18 iniciativas que terão sua aplicação na porta de entrada do cumprimento da pena, e na porta de saída, na pós-penitenciária, criando novas oportunidades para os egressos do sistema prisional”, finalizou o juiz Lanfredi.

TJAPCNJONU (36).JPGO governador do estado, em exercício, Jaime Nunes, recebeu o Plano de Trabalho Executivo do programa do CNJ das mãos do desembargador Carlos Vieira Von Adamek. Segundo o gestor estadual, “o governo do estado entende a necessidade da urgência de uma tratativa acerca dos problemas do sistema carcerário”. Ressaltou que “pela primeira vez está sendo apresentada uma TJAPCNJONU (33) - Copia.jpgproposta concreta de enfrentamento envolvendo todos os órgãos do sistema de justiça e segurança”.

- Macapá, 21 de março de 2019 –

 

Assessoria de Comunicação Social
Siga-nos no Twitter: @Tjap_Oficial
Facebook: Tribunal de Justiça do Amapá
You Tube: TJAP Notícias
Flickr: www.flickr.com/photos/tjap_oficial
Instagram: @tjap_oficial
Programa Justiça por Elas- Rádio 96.9 FM
Programa Conciliando as Diferenças- Rádio 96.9 FM
Programa Nas Ondas do Judiciário- 630 AM
Programa Justiça em Casa- Rádio 96.9 FM
Programa Justiça Contando Histórias- Rádio Difusora

selo-ouro-cnj selo-ouro-cnj