Juíza Alaíde de Paula realiza inspeção no Hospital de Emergência motivada por Ação Civil Pública provocada pelo Conselho Regional de Enfermagem

inspecao-hospital-emergencia (01).jpgA juíza Alaíde Maria de Paula, titular da 4ª Vara Cível e de Fazenda Pública da Comarca de Macapá, realizou inspeção no Hospital de Emergência, nesta terça-feira (03/12). A verificação de condições gerais percorreu setores como: farmácia, enfermarias, clínica médica, sala de prescrição, sala de traumas, tomografia, ala de semi-intensivo, Centro de Tratamento de Queimados e setor de ortopedia. Acompanharam a averiguação a presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Amapá (Coren), Emília Pimentel; procurador do Estado, Diego Bonilla; e o presidente do Conselho Regional de Medicina, Eduardo Monteiro.

inspecao-hospital-emergencia (6).jpgA inspeção foi realizada em virtude da Ação Civil Pública nº 0020989-05.2019.8.03.0001, que tem como autor o Ministério Público do Estado (MP-AP), que busca assegurar a manutenção e permanência regular e contínua do fornecimento de medicamentos, insumos, exames e equipamentos médicos essenciais para viabilizar o funcionamento e atendimento dos  usuários  do  SUS no Hospital  de Emergência (HE).

inspecao-hospital-emergencia (23).jpgDe acordo com a juíza Alaíde Maria de Paula, o que se constata no HE é o mesmo já constatado em vistorias realizadas no Hospital de Especialidades Alberto Lima (HCAL) e no Hospital da Mulher Mãe Luzia. “As coisas têm que mudar, pois não podem continuar do jeito que estão, pois entra ano e sai ano e nada parece ser feito em favor da saúde pública. É preciso adotar políticas públicas em prol do bem-estar do cidadão”, defendeu a magistrada.

inspecao-hospital-emergencia (31).jpgA juíza disse ainda que encaminhará recomendações ao Governo do Estado e, no final de janeiro de 2020, retornará para averiguar se as medidas recomendadas foram cumpridas.

inspecao-hospital-emergencia (3).jpgA presidente do Coren, enfermeira Emília Pimentel, disse que a “instituição vem fiscalizando o HE desde 2017 e encaminhando recomendações por meio de relatórios, mas tais recomendações não são cumpridas, por isso foram encaminhadas ao Ministério Público, o que gerou a Ação Civil Pública”.

“A enfermagem e demais categorias trabalham de forma insegura e, por consequência, levam um cuidado inseguro para a população por conta da falta de estrutura e de profissionais em número suficiente para que seja prestado um serviço de qualidade para a sociedade”, complementou a enfermeira.

- Macapá, 04 de Dezembro de 2019 -

 

Assessoria de Comunicação Social
Siga-nos no Twitter: @Tjap_Oficial
Facebook: Tribunal de Justiça do Amapá
You Tube: TJAP Notícias
Flickr: www.flickr.com/photos/tjap_oficial
Instagram: @tjap_oficial
Programa Justiça por Elas- Rádio 96.9 FM
Programa Conciliando as Diferenças- Rádio 96.9 FM
Programa Nas Ondas do Judiciário- 630 AM
Programa Justiça em Casa- Rádio 96.9 FM
Programa Justiça Contando Histórias- Rádio Difusora

Selo 28 Anos TJAP Selo 29 Anos TJAP Selo Ouro CNJ Sessões online

O Tribunal de Justiça do Estado do Amapá utiliza cookies em seu portal e Aplicativos para controle de navegação no site e geração de informações estatísticas, os quais são armazenados apenas em caráter temporário para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com esse monitoramento. Conheça nossa Política de Privacidade, Cookies e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD